Quando escrevi O que aprendi participando do Brasil em Prosa fiz uma lista de contos que li e achei que poderiam estar entre os finalistas e com orgulho que constato que a Vivi Maurey e a Frini Georgakopoulos realmente esto entre as selecionadas. Tenho bom faro e bons amigos. Alis Thiago Lee amigo de amigos.

Agora a fase dois. Li os 20 finalistas e aqui vo meus comentrios e suposies para os trs primeiros.

Ah! Quando lerem os contos (que vocs podem ler direto no site da Amazon sem instalar nada em seu computador), lembrem-se de ir nas pginas dos contos linkadas aqui para deixar suas estrelinhas e comentrios.

Conforme for lendo vou atualizando esse post, portanto esto na ordem da minha leitura. Ah! Sem spoilers.

  1. Entre duas gotas de chuva, de Viviane Maurey: O jogo de faz de conta que me e filha jogam com as pessoas ao redor nos faz refletir sobre nossos preconceitos, mas tambm sobre como fugimos da nossa prpria realidade interior. Est entre os meus favoritos.
  2. Bem aqui, de Frini Georgakopoulos: Um romance simples e singelo, quase bobo, mas bem escrito, quase um poema. O concurso tinha pilhas de romances, mas esse realmente se destaca pela habilidade com que o ritmo foi conduzido e pela sutileza dos personagens.
  3. Crime futuro, de Thiago Lee: Na minha opinio o ponto forte desse conto o controle que o autor mostrou ao construir uma histria rica e completa, sem pressa, nos exguos 6 mil caracteres que o concurso imps. Alm disso muito bem escrito em termos literrios
  4. A Arte de Morrer ou Marta Dptero Braqucero, de Bruno Ribeiro: Esse deixa claro que as obras literrias tambm tiveram espao no concurso. Nos leva para uma realidade suja, em decomposio, mas com frases, pargrafos e conjunto lapidados com habilidade. As questes que ele desperta tambm merecem destaque em seu realismo cru. Pode-se encontrar um vis preconceituoso, mas duvido que se trate disso de fato pois forma-se um lao de cumplicidade entre os personagens e o leitor. At aqui meu favorito para primeiro lugar.
  5. A Biblioteca do Mediterrneo, de Gabriela Bazan Pedro: Parece uma colcha de retalhos de referncias a obras com bibliotecas fantsticas, mas o estilo no erudito, pelo contrrio, segue a frmula pop a tal ponto me me desagradou no incio, mas sabe conduzir a um final que me fez sorrir e pensar nas bibliotecas do do sculo XXI com outros olhos.
  6. Carvo Sobre Papel, de Mrcio M. Rodrigues: Tenho um segundo favorito para primeiro lugar. fcil subestimar o conto nos primeiros pargrafos, mas ele como uma bola de neve crescendo enquanto traa uma histria de criao e consequncias. At os chatos como eu, que gostam de textos literrios, devem gostar at depois da ltima palavra.
  7. O coelho branco, de Irka Barrios: O ritmo alucinante da narrativa envolvente e muito adequado ao acelerado sculo XXI. Pode ser um pouco decepcionante para quem faz questo de finais fechados, mas os finais abertos so histrias que continuam ecoando em nossa imaginao. O estilo quase pop em vez de literrio, mas tem uma qualidade que achei acima da mdia.
  8. Doses de orgulho e vergonha, de T. K. Pereira: O protagonista bebe com um amigo enquanto vamos observando seus pensamentos despencando por sua mente cada vez mais embriagada. O autor usa uma pontuao que no me agradou para construir o efeito dos pensamentos trpegos, entretanto o perfil do personagem provocante. Bom para refletir sobre nossa prpria moral e autoestima.
  9. Encontro Lisboeta, de Angela Marsiaj: Um pouco erudito demais em sua forma. Me incomodou. Ainda que seja coerente com a citao aos Fernandos Pessoa. Acho que o ritmo quebrado prejudica o ritmo da leitura. A histria no entanto divertida, os personagens e o ritmo muito bem montados para o espao apertado que o concurso imps. Leitura boa para exercitar a mente literria.
  10. Enfim Clarice, de Giulia Gambassi: Achei a leitura um pouco confusa e a ltima parte perdeu um pouco do ritmo potico das duas primeiras, mas me senti moralmente obrigado a dar 5 estrelas pelo valor humano, pela delicadeza como vamos sendo apresentados a Clarice e, no final das contas, um texto rico em delicados rococs literrios.
    uma histria sobre a busca de identidade.
  11. Gentica, de Eduardo Villela: Crnica de humor irnico em um mundo bem possvel, mas no h um fechamento que equilibre o contedo. No se trata de terminar a histria, mas de dar concluso ironia.
  12. O lugar mais feliz da Terra, de Pedro Miller: necessrio dar um desconto para os contos escritos para o Brasil em Prosa: 6 mil caracteres pouca coisa. No entanto houve quem conseguisse desenvolver bem a histria e a concluso.
    Gostei da ideia e do protagonista, mas achei o texto confuso onde est representado o que o protagonista pensa e a concluso poderia fechar melhor com o contedo.
  13. O menino, a praa e o tempo, de Lcio H. Saretta: Que coragem! O conto, curtssimo, tem duas fases, narrado com duas vozes que se alternam em algum ponto quase sem que o leitor note. uma histria sobre transio que se atreve a fazer isso correndo o risco de ser penalizada por falhar em seguir as normas da lngua.
  14. 1906, de Ion Constantinescu: O mximo que se poderia criticar nesse conto seria um deslize aqui ou ali no vernculo do incio do sculo passado, posto que escrito como se fosse produzido por um vivente daqueles tempos j distantes. No entanto, no reno as qualificaes necessrias para julgar isso.
    Para alcanar a gargalhada citada mais acima necessrio conhecer um pouco da histria do Rio, dos acidentes geogrficos devorados (por acidente ou de propsito) pelo progresso. Tambm desejvel saber das construes imponentes de outrora desconstrudas nos jogos polticos e sociais do ltimo sculo.
    Quem gostou de ler esse comentrio deve gostar do conto hehehe.
  15. Port-au-Prince Amaznia, de Diego Farias: Aborda duas questes importantes nesse incio de sculo, xodos e encontro de culturas. O estilo fluido e a estrutura iniciando em um flashback agradvel. Termina um pouco abruptamente (pouca gente conseguiu lidar bem com o limite de 6 mil caracteres) e senti falta de um pouco mais de profundidade no protagonista (tambm dificultado pela restrio de tamanho).
  16. Reminiscncias, de Ana Cludia Martins: Uma das belezas do texto literrio dizer “sua vida no ter mais graa sem mim” em seis mil caracteres desenhando cenas, memrias, sabores, sensaes, emoes (so duas coisas bem diferentes). Talvez o conto tenha um pargrafo ou dois que se enrolam quebrando um pouco o ritmo, mas a leitura quase libertadora para quem j perdeu um amor injustamente.
  17. Sombras, de Eduardo Sabino: O uso das sombras no incio e no fim potico.
    bem escrito em um estilo comercial, mas com uma estrutura literria que torna a leitura ao mesmo tempo fluida e instigante.
    O #BrasilEmProsa imps um espao muito restrito que dificulta a construo mais profunda dos personagens.
    S no gostei muito da estrutura em mosaico de cenas ainda que elas se conectem.
    O tema religio x pensamento livre propcio e necessrio (compartilho da opinio do autor), mas ficou um pouco didtico.
  18. Sonfera Ilha, de Andr Timm: O texto literrio conduzido com preciso construindo um clima denso e envolvente nos conduzindo ao ttulo. Agrada justamente por isso, mas achei estranho que a situao tenha ocorrido justamente ali pela primeira vez. O conto descreve um momento.
  19. ltimos minutos, de Camila Moreira : Um dos contos mais equilibrados entre estilo, narrativa e concluso. Com sutileza consegue montar personagens slidos. A histria em si no tem nada de muito diferente, mas merece destaque por se colocar com preciso dentro do estilo.
  20. O Vero, de Alfredo Nugent Setubal: preciso ler com ateno. Cheguei a achar muito ruim at que os vrios fios comearam a se entrelaar formando uma rede de interpretaes para o texto. Pode ser o melhor dos finalistas ou apenas uma dessas construes metafricas to abertas que vemos o que no est l.
    pesado. Seja qual for a interpretao uma histria de coisas que vo e no voltam mais, das vidas que vamos perdendo conforme vamos vivendo sucessivos veres, outonos e invernos, mas sem primaveras.

Minhas escolhas

Me sinto impelido a dividir em dois grupos: um literrio e outro de consumo.

Antes vamos definir os dois grupos, certo? J falei nisso quando escrevi sobre como classifico os textos pop e literrios (ou eruditos) e expliquei que coloco os dois na mesma escala, ou seja, um texto pop no mximo oito e o nove e dez ficam para o literrio. Mas essa uma classificao pessoal.

Em termos prticos considero dois tipos de literatura: um feito para ser lido com fluidez e o outro para ser milimetricamente desfiado, desembaralhado, esmiuado pelo leitor.

Tendo isso em mente eu ficaria com os seguintes para disputar os trs primeiros lugares:

  • Carvo sobre papel
  • A Arte de Morrer ou Marta Dptero Braqucero
  • O coelho branco
  • O Vero
  • ltimos minutos
  • Reminiscncias

Gostaria de colocar Entre duas gotas de chuva na lista ao lado do ltimos Minutos, mas desconfio que o meu julgamento pode estar influenciado por saber que Viviane Maurey uma escritora ecltica e amiga pessoal.

claro, ainda, que essa a minha opinio e que sou apenas um leitor voraz e ecltico que vai de Machado de Assis, Antnio Torres e Shakespeare at John Green e Veronica Roth e no uma autoridade em literatura. Todos os vinte finalistas tem grandes qualidades e podem conquistar os trs primeiros lugares.