Pode ler com calma, não farei spoilers, ou seja, não vou revelar coisas que são legais de descobrir ao longo da leitura. Essa é uma resenha do livro e não um resumo, tá bom?

Há quem diga que esse é um dos melhores livros do Neil Gaiman. Acho muito difícil determinar objetivamente qual é a melhor obra de um autor como ele e desconfio que há um forte fator subjetivo nesse status, entretanto não discordarei. O Oceano no fim do caminho certamente é um dos livros mais tocantes do Neil Gaiman.

A forma como ele constrói a ponte entre as partes da história é diferente do que li em outros livros dele, diferente para melhor pois, pelo menos em mim, produziu um forte efeito de transporte da realidade para fantasia, quer dizer, é o transporte do personagem, mas o leitor acaba transportado junto do mundo conhecido e natural para a possibilidade do sobrenatural.

É claro que essa possibilidade do sobrenatural não significa que a história é mística, dificilmente Neil Gaiman seria tão raso assim, o sobrenatural aqui é da nossa vasta mente inconsciente.

O Oceano no Fim do Caminho é uma obra sobre o mergulho em nossa mente sem limites, repleta de imagens que fazem nossa pele arrepiar mesmo que sejamos cíticos e permaneçamos assim.

Também pode ser uma obra mística, ?éclaro, assim são os bons livros, eles abrem espaço para todos os olhos.

Para quem precisa muito de comparações para imaginar qual é o tipo de um livro, creio que podemos comparar com Coraline, também do Gaiman, mas esse é um pouco mais adulto e os personagens retratam outros tipos de relacionamentos, outras questões bem mais adultas ainda que o livro seja melhor classificado como Jovem Adulto.

Fico pensando se Neil Gaiman escreve fábulas… A rigor uma fábula é uma história curta, plana, linear e com eventos muito restritos.

Considerando isso O Oceano no Fim do Caminho não é uma fábula, mas é como se reunisse várias fábulas (bem originais, diga-se de passagem) formando um universo onírico. Coisa que Neil Gaiman faz como poucos.

Deixo por último dois pontos que considero essenciais na obra.

O primeiro é a força das imagens, principalmente o Oceano no Fim do Caminho, é claro, mas não só ele. São vários os momentos que o leitor deve se sentir inspirado a parar a leitura para permitir que uma cena ecoe e se desenvolva em sua própria imaginação, cavando pensamentos e emoções que podem ser inesperados.

O segundo é a qualidade do carinho, da empatia, que os personagens demonstram. Gosto muito de histórias que nos mostram que amizades podem ser… Como são em O Oceano no Fim do Caminho ;-)

A tradução / edição nacional

Um bom livro não é mérito ou demérito somente do tradutor pois no processo editorial uma boa tradução pode ser estragada ou uma tradução ruim pode ser consertada… Ou uma ótima tradução pode ser melhorada, ou seja, uma tradução boa é uma conquista coletiva.

Estão de parabéns a editora, preparadores, a tradutora e quem vez a revisão.

Já li outras traduções da Renata Pettengill e me arrisco a dizer que é uma ótima tradutora! Recomendo!

Capa do livro O Oceano no Fim do Caminho
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Pinterest
  • Gmail
  • Tumblr
O Oceano no Fim do Caminho – Neil Gaiman