Quando nos emocionamos uma descarga bioqumica que dura 90 segundos se espalha por nosso corpo e reduz o funcionamento da nossa mente ao de uma criana de uns trs anos.

Antes te escrever esse post tive que esperar vrios perodos de 90 segundos depois de ler o artigo Em Defesa da Literatura de Mrio Vargas Llosa na Piau.

Infelimente a minha emoo foi de pavor.

Aparentemente para Llosa a humanidade se divide entre “leitores de Cervantes ou de Shakespeare, de Dante ou de Tolstoi” que se sentem da mesma espcie e o restante:

Incivilizado, brbaro, rfo de sensibilidade e pobre de palavra, ignorante e grave, alheio paixo e ao erotismo – um mundo sem literatura teria como trao principal o conformismo, a submisso dos seres humanos ao estabelecido. Seria um mundo animal

Quero deixar claro que tenho convico de que a arte o ar que a conscincia respira e quanto mais acesso nossa civilizao tem arte mais nossa conscincia individual e coletiva cresce, mas no posso aceitar tamanho elitismo!

Nem toda arte literatura, nem toda arte obedece aos critrios de arte dos imortais das academias e raramente atravs da sua forma mais erudita e pura que a arte consegue se espalhar por nossa civilizao.

Quantas pessoas leram os clssicos? Qualquer um deles? Quais voc leu?

Como no li mais do que meia dzia de clssicos imagino que no tenha direito de opinar j que devo me enquadar entre os “incivilizados, brbaros e rfos de palavra”, mas assim mesmo, bronco e selvagem, me sinto no direito de defender minha frgil conscincia e a de todos ns que no somos letrados na chamada “boa literatura”.

Em algo concordo

Como disse concordo que a chamada boa literatura, ou melhor, a boa arte essencial para criar o pensamento dissonante, a perverso da esttica ou da moral que sero responsveis pelos ecos que se espalharo por toda nossa coletividade criando novas culturas, manifestaes artsticas, percepes da realidade e outras formas de alteraes que podem ou no dar certo, mas fazem parte da evoluo da nossa conscincia.

Sem Shakespeare, Milton, Dante, Fernando Pessoa, Cruz e Souza, Machado de Assis (e acho que citei todos que li) e muitos outros a nossa espcie estaria em um estgio muito mais selvagem de conscincia.

No entanto creio que um erro crasso, elitista e at com ameaadores traos de fascismo sugerir que apenas quem entra em contato direto com as verses originais dessas obras teve acesso ao seu valor artstico e cultural.

A arte como uma vacina

Vacinas so pequenas doses de um mal que injetado em nossas veias para que possamos aprender aos poucos e construir mecanismos para receber doses macias.

A diferena que a arte no nos prepara apenas para as dores, claro, ela nos antecipa prazeres (com seus riscos de seduo) e devaneios que ajudaro a criar novas facetas em nossa rica conscincia.

Basta olhar at para os mais simples sopros da cultura chamada de idiota por Llosa para ver ali os sussuros dos grandes clssicos.

Guerra nas Estrelas, Senhor dos Anis, Fronteiras do Universo, Basquiat, Merce Cunningham, Sandman (os quadrinhos de Gaiman), Codinome Robotech, Viagem de Chihiro, a literatura de cordel, impossvel esquecer a literatura de cordel, o hip hop, o samba de raiz.

Tudo isso so preciosos lquidos portadores de doses suaves das mais profundas palavras de Proust, Kierkergaard ou Homero!

E se todos fossem eruditos?

Um mundo de adoradores dos grandes mestres da literatura (parece que para Llosa s h literatura), filosofia, teologia, teatro etc. seria uma Valinor materializada?

No tivemos diversos grandes eruditos sdicos, imorais, perversos, eugenistas… Alis o cone da loucura homicida, Hittler, leu quase todas as obras de Shakespeare alm de Dante e mais alguns clssicos.

Em todo caso h na erudio um tipo de endurecimento da conscincia que tende a idolatrar as vozes do passado desprezando a conscincia do presente.

raro encontrar um erudito que no esteja convicto de que jamais haver outro Shakespereare ou um telogo que no ache que os humanos s foram capazes de ver Deus entre 5 e 2 mil anos atrs fazendo da Bblia o livro definitivo sobre a espiritualidade humana.

Um mundo de eruditos um mundo onde a conscincia est morta e no h espao para a nova arte.

Prefiro um mundo selvagem e incivilizado a um congelado em sua prpria arrogncia.

Bem, agora vou ali ler Proust para poder chamar todos os outros se animais rudes e sem sensibilidade.