Vamos primeiro ao alerta de sempre: pode ler sem medo pois não faço spoiler (não conto nada que tire a graça de ver o filme).

Cidade dos Ossos é o primeiro livro da trilogia Instrumentos Mortais, mais uma obra literária distópica para jovens adultos (adolescentes até uns vinte e poucos anos) encabeçada por Jogos Vorazes.

Ainda não li os livros portanto só posso falar do filme por enquanto.

Me diverti vendo o filme, mas tudo nele é lugar comum: a trama, as reviravoltas, a premissa de luta entre bem e mal e até as sequências de ação.

O chato é que vejo espaço para ter uma boa história ali e os livros talvez sejam ótimos (aviso quando ler), mas principalmente a superficialidade dos personagens me incomodou muito. Vimos em filmes como Vingadores e até O Hobbit que é possível ter muitos personagens, muita ação e ainda assim construí-los com uma certa profundidade dramática.

Em Cidade dos Ossos somente a protagonista e os dois rapazes mais próximos dela recebem alguma atenção e mesmo eles achei meio rasteiros.

Enfim, o filme acabou sendo o que chamamos de “sessão da tarde”.

Ah! Tem uma coisa boa! Eles usam chaves de fenda sônicas como se vê na imagem que ilustra o post… Hummm… Tá… Piadas whovian não funcionam com quase niguém, né? Foi mal, mas passei o filme todo achando que alguém ia dizer Allons-y ou Jerônimo ;-)

Espero que nenhum fã dos livros fique zangado comigo, mas tente se colocar no lugar de alguém que não leu os livros e reveja o filme.