Dois anos atrasado fiquei sabendo da hist?ria do Yo?lu em um artigo da Aplauso e depois neste artigo mais completo na revista ?poca.

Sou um Yo?lu que n?o se matou.

Decidi confessar isso na esperan?a de que algu?m que procure por dicas, sugest?es, instru??es ou informa??es de como se matar acabe caindo aqui e descobrindo o que pode acontecer caso n?o se mate.

Yo?lu era um rapaz de 16 anos, inteligente, sens?vel e talentoso, mas ? dif?cil entender o mundo quando se ? assim. O talento ? a excess?o e a sensibilidade um ato de coragem e for?a quase incomensur?vel.

Sim! Coragem e for?a! Pois sens?veis somos, ou ser?amos, todos n?s. No entanto o mundo que vemos hoje se apresenta repleto de horrores diante dos quais a maioria se entrega ao ?dio e desejo de vingan?a demonizando o mundo e se dessensibilizando. Quem enfrenta a dor do mundo tem que ter for?a.

Lembro bem de como me sentia impotente diante de um mundo que n?o poderia se tornar melhor, em que as pessoas s? pensavam nelas mesmas enquanto a sociedade e meio ambiente se encaminhavam ao caos.

Em fitas cassete eu gravava meu desespero chorando. Eu tinha entre 11 e 14 anos. Hoje tenho mais de quarenta.

Al?m de me preocupar com o mundo eu era sozinho. Ningu?m mais lia ou se preocupava com as coisas que ocupavam os meus pensamentos. Me apaixonei v?rias vezes em sil?ncio pois tinha certeza de que a outra pessoa n?o entenderia o meu mundo.
Talvez eu tivesse me matado, certamente tive vontade v?rias vezes.

Pode ter sido o acaso que foi me levando, pode ter sido por N?O ter encontrado grupos de ajuda ao suic?do ou ainda a influ?ncia de algumas coisas que li como Senhor dos An?is e que me deram alguma raz?o para continuar… Teve outra coisa.

Curiosidade! Eu sempre quis saber o que ia acontecer em seguida. Posso ter aprendido com Senhor dos An?is a continuar mesmo sem esperan?as e a encarar o desespero como algo maliciosamente inserido na gente por algu?m (pode ser um pensamento) com l?ngua de cobra, mas foi a vontade de ver o que viria a seguir que me deu raz?es para continuar.

Nem sei se algu?m pensando em suic?dio chegar? aqui, muito menos se ler? at? este ponto, teria muito mais a falar como as dificuldades com os meus pais e como foi importante conhecer quem conheci aos 18 anos, mas este post j? est? mais longo do que eu gostaria… S? preciso falar em mais uma coisa…

Nunca quis me matar para castigar algu?m ou dar uma li??o em algu?m, eu queria era interromper a dor, mas tem muita gente que pensa nisso. ? um outro universo do qual n?o posso falar muito, mas sei que n?o d? certo pq a grande maioria das pessoas enfrenta a dor se esquecendo dela e nem se destr?i, nem aprende nada.