Quem me conhece ou l? com freq??ncia este bloguinho sabe que tenho mania de formar longas correntes de associa??o entre as coisas, ou seja, para falar do bom humor de um amigo passo pela febre aftosa, o culto a Kali e os poemas de Fernando Pessoa, mas veja se n?o faz sentido.

Dizem que agosto ? o m?s do desgosto e logo aparece uma lista de desastres ocorridos neste m?s. Do suic?dio de Get?lio Vargas ? explos?o da bomba at?mica.

O problema ? que nossa cabe?a funciona deste jeito: ela assume uma id?ia e sai em busca de confirma??es para ela. A isso chamamos de racioc?nio. Bem, de bitola??o tamb?m.

Se a gente procurar um pouco achamos enormes listas de desastres em todos os meses. Tem o 11 de setembro do terrorismo contra os EUA e o 11 de setembro do terrorismo dos EUA contra o Chile. Escolha o seu m?s e pesquise.

Dai que ontem fui encontrar com uma grande amiga e falamos sobre esta gera??o que est? com seus vinte e poucos anos. Segundo ela a maioria s? quer se alienar e se droga horrores. Hoje li o blog da Lyra e vi que ela tamb?m acha que est? tudo t?o errado que a gente tem mais ? que se revoltar, se alienar ou mergulhar nos estudos.

Putz, a coisa est? ruim mesmo. O mundo est? em crise, mas este papo de que “n?o tem jeito” j? virou Agosto do desgosto!

Viu? Dei uma volta, mas faz sentido, n?o faz?

As coisas n?o v?o bem, mas aceitar a inevitabilidade dos problemas ? criar um pensamento ciclico vicioso que se retroalimenta que nem uma bola de neve.

Quando as coisas v?o mal a gente precisa do esp?rito guerreiro ou da garra dos esportistas radicais que enxergam em cada obst?culo uma melhor possibilidade de supera??o.