Cheguei de l? ainda a pouco.

Muita coisa mudou do s?culo passado para c?.

Nos tempos pr?-Internet amantes de livros como n?s caminhavam encantados pelos corredores das bienais sentindo-se em Aleph de Borges ou nos pr?prios labirintos da biblioteca de Alexandria.

Era a ?nica oportunidade de ver todos os t?tulos dispon?veis no mercado editorial. Agora est? tudo na Internet.

Era o ?nico lugar onde pod?amos obter aqueles livros que n?o ach?vamos em nenhuma livraria. Agora est? tudo online (na pior das hip?teses na federa??o de sebos Estante Virtual).

L? tamb?m havia descontos que nos permitiam comprar o dobro de livros que comprar?amos nas livrarias. Na verdade era tamb?m o dobro de livros que poder?amos ler em um ano :)

Tudo isso passou, mas pelo jeito as editoras e livrarias n?o perceberam.

O que restou foi o encanto de caminhar entre dezenas de milhares de t?tulos, verdadeiras florestas de papel (dane-se o meio ambiente!) com aquele som caracter?stico de folhas farfalhando e o cheirinho da tinta (mais uma vez, quem se importa com o meio ambiente? Sempre quis viver em uma cidade subterr?nea).

? claro que d? para garimpar alguns t?tulos que n?o achamos online simplesmente porque ainda n?o inventaram uma representa??o virtual de biblioteca t?o eficiente quanto os livros espalhados ao nosso redor.

Vamos aos destaques!

As pessoas

Pegamos o hor?rio lotado de jovens ?vidos por vampiros que brilham no sol como fadas, Stefani Germanota e outros ?dolos pop.

V?rios deles tamb?m se interessavam por literatura mais respeit?vel e lamentavam n?o ter levado os pais para comprar grossos livros em editoras como a Cia das Letras.

Tamb?m achei a maioria muito bem educada! Quer dizer… ca?ticos como todo adolescente, mas sinceramente, mais s?rios que a minha gera??o.

O Mercado

Lembro bem da quantidade de pequenas editoras na primeira bienal que fui. Ali?s, a edi??o do Rio ainda tem uma boa quantidade delas, mas ? ineg?vel que as que n?o se tornaram grandes (como a Planeta – merecidamente-) acabaram sumindo do mercado ou talvez achando que n?o vale a pena investir na bienal.

Vi, toquei e abusei de um iPad, mas vou falar nisso depois, a quest?o agora ? o livro digital…

O estande que disponibilizou perto de 10 unidades dos principais e-readers do mercado n?o preparou seus promotores para mostrar os aparelhinhos.

Aten??o distribuidoras! N?o ? o livro digital que vai vender gadgets, s?o os gadgets que v?o vender livros digitais!

Ficou a n?tida impress?o que a maioria oferece livros digitais como bancas de jornais oferecem balas e biscoitos… Quem ? do ramo sabe que muitas vezes ? da? que vem o lucro…

Os tradicionais e desesperados vendedores de enciclop?dias e revistas continuam por l?, mais desesperados a cada ano e ainda mais ignorados pelo p?blico. D? pena.

Coisas bizarras

N?o lembro de ter visto estande de parque aqu?tico e hot?is nas outras bienais. Nessa tinha at? um vendendo graxa de sapato!!!

Ainda n?o decidi se isso ? bom, ruim ou somente engra?ado.

Tinha um Narnia Day rolando em um estande, mas a parte que ouvi era muito estranha com direito a “estamos aqui com o cordeiro”… Cordeiro? N?o lembro de nenhum cordeiro em Narnia! L? quem faz esse papel ? Aslam, o le?o.

Mas estranho mesmo era o quiosque de graxa de sapato que n?o me sai da cabe?a! :-)

Tinha o iPad!!

?, mas vou falar dele depois!

Garimpo

Quando cheguei no meio da explora??o tive que me apressar para ir embora e portanto n?o garimpei como gostaria, no entanto assim mesmo esbarrei em algunas coisas interessantes.

Decidi dar uma olhada com aten??o nos t?tulos da Larousse pois em um lance de olhar identifiquei o Efeito Lolita e mais uns 4 t?tulos que pareciam interessantes.

 Ali?s havia outros livros sobre como os jovens e as jovens modernas tem vidas que s?o impr?prias para menores… Ser? que n?o est? na hora de parar de fazer de conta que as crian?as s?o seres imaculados e reconhecer que elas est?o expostas ? vis?o distorcida que os adultos tem do sexo, da amizade e do trabalho?

A Campus tamb?m n?o estava m? e encontrei l? o Gera??o Y no Trabalho de Nicole Lipkin e April Perrymore que pareceu bem interessante.

Logo na contracapa a gente l? “total invers?o de valores”. E pensar na dificuldade que a gente tem para mostrar isso para as pessoas que n?o est?o online e/ou n?o s?o da gera??o Y…

Ok, eu sou da gera??o X, mas se queremos continuar existindo temos que ir nos transformando e hoje me atrevo a dizer que sou, pelo menos, um membro honor?rio :-)

? claro que n?o li o livro, mas pela folheada ele promete.

Quer saber? Estar no meio de livros ? uma experi?ncia quase m?stica para mim, mas me arrisco a dizer que a bienal valeu pela oportunidade de manusear um iPad bem recheado com livros.

Enfim o iPad

N?s j? est?vamos de sa?da quando deparamos com o tal estande cheio de Kindles, iPads, Collers e leitores da Sony.

Primeiro saltei em cima de um belo Kindle e a primeira coisa que fiz foi clicar acidentalmente no bot?o de voltar que fica exatamente onde o ded?o de uma pessoa destra se apoia ao segurar o aparelho…

A segunda coisa que tentei fazer foi aumentar as letras pois realmente estavam muito pequenas. N?o descobri como e a promotora s? havia sido treinada para falar de livros digitais.

Conclus?o: apesar de ser muito agrad?vel olhar para um Kindle, da tela ser do tamahho de uma p?gina de livro (ou maior) a minha primeira experi?ncia com ele foi frustrante.

Logo me desinteressei pois n?o parecia ter muito mais para ver nele e ningu?m sabia explicar como ele funcionava (s? sabiam dizer o que eram livros digitais).

Fui para o iPad.

N?o o fuxiquei por mais de 15min.

Ele ? pesado, mas menos do que eu imaginava.

Ele parece pequeno, mas ao espiar coisas na tela dele elas parecem do tamanho ideal.

A edi??o de Alice infantil para ele ? mesmo impressionante. A legibilidade ? excelente. Localizar palavras ou usar o dicion?rio tamb?m ? trivial.

Os livros em PDF aparecem no mesmo aplicativo que ficam os livros comprados e n?o se nota grande diferen?a entre eles.

Naveguei por uns jornais, pela Wired e me controlei para n?o tentar ler quadrinhos pois desconfiei que n?o conseguiria sair dali.

Para n?o falar que ? perfeito realmente o peso dele pode ser um pouco desagrad?vel e o teclado exige o desenvolviemento de alguma t?cnica de empunhadura ou extensores para os dedos ;-)

Ainda assim decidi que realmente vou comprar um (ou dois para n?o dar briga).