Pode ler sem medo pois não faço spoiler.

Quem conhece o autor por Fronteiras do Universo pode se surpreender com essa série que, apesar de ser ambientada nos últimos 25 anos do século XIX não tem nada de sobrenatural ou mesmo steampunk. São quatro romances realistas que giram em torno de Sally Lockhart, uma menina de 16 anos, Fred, um jovem fotógrafo e Jim, um garoto das ruas uns 2 ou 3 anos mais novo que Sally.

A trama é uma aventura de mistério e investigação com perseguições, momentos de tensão física e psicológica, uso de ópio e umas duas ou três passagens um pouco mais violentas, mas no geral é uma leitura leve indicada para quem tem uns 12 anos, mas tenho quase quatro vezes isso e adorei também.

Capa do livro Sally e a maldição do rubi
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Pinterest
  • Gmail
  • Tumblr
Capa do livro: Sally e a maldição do rubi

Pullman fez uma boa pesquisa do período histórico e até cita as referências que usou, então podemos nos aprofundar se quisermos.

Uma das coisas que gosto em romances históricos, principalmente da era vitoriana, é que nos dão uma visão diferente dos dois séculos seguintes, os nossos séculos, né?

Vemos como eram as ruas de Londres (e tantas outras cidades do mundo na época), o papel das mulheres, das crianças, a moral da época que hoje nos pareceria distorcida e as tecnologias modernas daqueles tempos como a recém-criada fotografia e alguns avanços das máquinas a vapor. Quanta coisa aconteceu do tempo dos nossos avós até hoje…

Apesar de acontecer há mais de 130 anos o autor escreve com um estilo bem moderno que torna a história bem mais dinâmica e gostosa de ler, sem falar que o mistério é instigante até o final e sempre com uma surpresa nos esperando.

Outra coisa que me agrada muito em Pullman é sua construção de personagens pois acho que muitos livros modernos dão muita atenção à ação e pouca à personalidade. Tem gente até que gosta pois pode inventar as qualidades que quiser para seus preferidos. Eu gosto de saber mais algumas coisas sobre os gostos e humor deles.

Agora, o que mais me encanta nessa história é a qualidade das amizades das pessoas, sabe? Daquele tipo sem maldade, sem interesses obscuros ou traições. Creio que todas as minhas histórias preferidas são assim pois é o tipo de amizade que eu gosto de construir com os meus amigos reais.

Em vídeo

Sally, Fred e Rosa
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Pinterest
  • Gmail
  • Tumblr
Sally, Fred e Rosa em A Maldição do Rubi

Os quatro livros da série também viraram telefilmes da BBC com Bilie Piper(em primeiro plano) e Matt Smith (ele não está na foto).

Quem é fã da série de TV Doctor Who sabe quem eles são (ela fez a primeira “companion” do Doctor e ele foi o próprio Doctor em sua 11ª regeneração) e vai adorar encontrá-los novamente.

Já vi o primeiro filme e gostei da adaptação. Pretendo ver os seguintes conforme for lendo os livros.