Hoje aniversrio de Monteiro Lobato e o Fio de Ariadne props uma blogagem coletiva sobre quem foi o autor que nos introduziu ao prazer da leitura.

Eu era criana na dcada de 70 e naturalmente li toda a obra de Monteiro Lobato e adoraria dizer que foi atravs dele que aprendi a gostar de ler. No foi.

A primeira coisa que eu lembro, e uma daquelas memrias que transita pelo terreno nebuloso entre lembrana e imaginao, um livro de pano.

Talvez seja algo que me contaram e penso que me lembro, mas o que importa que tenho a memria ntida de algo de pano resistente que eu manuseava com encantamento. Imagens coladas que eu podia levar para o banho e manusear a vontade ao contrrio dos livros de papel que meus pais folheavam.

Depois vieram os quadrinhos. Tio Patinhas, Professor Pardal e Pato Donald. Foi com eles que aprendi a ler. Minha me lia as revistinhas para mim e assim fui aprendendo a ler. Tinha 5 anos quando comecei a viajar sozinho com as minhas revistas.

Teve uma viagem que meu pai fez que durou meses e me senti muito sozinho. Acho que foi a primeira vez que achei companhia para a solido em livros, no caso em revistinhas.

Agora… No sei qual foi o primeiro livro de verdade que eu li. Lembro com muita intensidade de O Caso da Borboleta Atria onde aprendi a palavra pernstico. Tambm da Lcia Machado de Almeida teve O Escaravelho do Diabo. Me senti um adulto lidando com uma histria que envolvia algo to perigoso quanto o Diabo!

Alis por onde andar a Lcia? Tem vrios livros dela no Submarino, mas quase todos esgotados. Como a propriedade intelectual condena obras ao limbo…

E por falar em propriedade intelectual ouvi falar que justamente por causa dela que Monteiro Lobato anda sumido das prateleiras; condenando umas duas geraes a no conhec-lo. Espero ansioso que ele caia em domnio pblico (acho que faltam 10 anos errei, j est em domnio pblico) pois, mesmo com quase cem anos tenho certeza que muitas crianas ainda se apaixonariam por livros lendo sua obra.

S que antes de Monteiro Lobato eu li uma srie que desapareceu totalmente que se chamava Monitora ou algo bem parecido. Eram pequenos livros de fico cientfica e foi com eles que me apaixonei definitivamente tanto pela leitura quanto pela cincia.

Felizmente hoje temos Harry Potter (que no gosto), Desventuras em Srie de Lemony Snicket (pseudnimo), a brasileira Indigo, Tim Burton (O Triste Fim do Pequeno Menino Ostra) e, claro, Philip Pullman entre tantos outros que certamente alimentaro o imaginrio e a paixo literria das crianas de hoje sem ficar devendo aos autores do passado.

Agradeo a Lilian Starobinas que foi onde descobri a blogagem coletiva.