Imagem: Brainstorm9 – Resenha A Bela e a Adormecida

Ainda não li. Quando tiver lido acrescento os comentários aqui.

Estou chorando só de ler o artigo da Raquel Moritz (que conheci agora). Imagino quando ler o livro.

Sabe porque choro tão fácil?

Sou hiperativo e isso quer dizer que a minha mente faz conexões a um milhão por segundo e, para fazer foco aprendi a concentrar essas conexões em torno do tema e aí a gente é tomado por um horizonte de eventos incomensurável que vai da menina que lerá uma história como esta e se ver mais livre, que vai pensar em carinho não necessariamente ligado a sexo e em sexo sem ser sujo ou violento. Daí pensamos nas mudanças na sociedade por causa disso com homens e mulheres que crescem com pais e mães mais livres e participativos (e mais sensíveis), em mudanças no sistema de ensino, na forma de interação entre amigos pois somos mais amigos quando não ficamos reduzindo tudo a sexo (“você acredita em amizade entre homem e mulher?” quantas vezes você ouviu isso?). No meio desses devaneios se intrometem as lembranças de amigas que apanharam de estranhos por serem consideradas gays. Isso no primeiro segundo…

E aí correm lágrimas.

A resenha da Raquel para quem prefere em vídeo: