Quando a razo, o bom senso e a busca livre e sincera de um entendimento gradativamente mais completo e preciso do nosso universo e da nossa conscincia (at aqui me parecem duas coisas ainda separadas) o inimigo so as vozes que se levantam contra o exerccio destas qualidades. Este o meu inimigo.

Por outro lado quem me conhece pouco ou cai de paraquedas neste ou naquele artigo ou post escrito por mim pode considerar que os meus inimigos so os religiosos e este post para defender um grupo deles em detrimento de outro e por isso intitulei como defesa ao inimigo apesar de ser amigo de todo religioso que se encaixa naqueles princpios ali em cima, e no so poucos, viu?

Recebi por email um texto intitulado Por que deixei de ser esprita (leia clicando no link aqui neste pargrafo).

No sei quem a autora, mas o texto me soou como um ataque sem sentido ao espiritismo com argumentos que no me convenceram de forma alguma a ver com maus olhos esta religio ou filosofia.

O fato mais curioso que o texto aparentemente me foi enviado como uma crtica ao espiritismo, mas acabou valendo como uma crtica ao auto-proclamado cristianismo batista da autora.

Lendo o texto tive as seguintes impresses:

  • Ela se incomodava com a obrigao de agir corretamente e que se considerava incapaz de se livrar de algum mal hbito que lhe garantiria um carma e uma outra encarnao mais desagradvel que a atual e preferiu a redeno gratuita que ela cr ser garantida pelo que ela chama de cristianismo bastando para isso crer.
  • H uma grande confuso entre se achar pequeno demais para compreender a mente de deus em alguns momentos e em outros ter certeza absoluta de como ela funciona
  • Parece haver uma simpatia especial por poder jogar tudo para o alto, fazer um monte de besteira e saber que no ter que pagar por isso mais tarde ao contrrio do que, supostamente, aconteceria no espiritismo.
  • Os esforos dos espritas para entender o universo ajustando sua f aos avanos da cincia tambm so duramente criticados o que sugere que a autora fala em um cristianismo para burros confundindo humildade com limitao intelectual. Conheo muitas pessoas que se dizem crists, so muito inteligentes e procuram compreender melhor suas crenas luz da cincia em vez de tentar estender as sombras indefinidas da f para ocultar a cincia que parece contradiz-la.
  • O livro “psicografado” chamado Bblia pode ser considerado fonte de verdade absoluta, mas no os textos psicografados espritas. Dois pesos e duas medidas. Isso argumento inadmissvel e testemunha contra quem o usa.
  • Apesar de estar escrito no livro usado pela igreja Batista que Jesus afirmou que “tudo que ele fez e tudo que ele foi ns seremos e muito mais” a autora critica o espiritismo por considerar Jesus um irmo quando ela sabe que o prisma (uma figura de linguagem bem apropriada j que o prisma decompe a luz e pode desviar dos nossos olhos alguns dos seus comprimentos de onda) correto para v-lo como um deus inalcanvel por seus seguidores.
  • Logo em seguida ela fala em seguir seu exemplo… Como seguir o exemplo inalcanvel de um deus vivo? E a redeno no se daria gratuitamente?

A crena religiosa pode ser muito til e j a vi tirar pessoas do vcio, do crime, da depresso e de muitos outros rumos catastrficos, mas este texto parece antes uma apologia ao pecado sustentado pela certeza do perdo de um deus que s pede que creiam nele.

De modo geral continuo achando que cada um deve se concentrar em explicar e seguir sua prpria religio pois ela boa para ele e ser para outros enquanto outras religies ou mesmo o atesmo sero bons para pessoas com qualidades e dificuldades diferentes. O desvio disso um pecado contra o livre-arbtrio, uma declarao de guerra a Deus! ;-)