Lembro de Eu, Rob? de Isaac Asimov. A hist?ria de uma m?quina sem alma ou humanidade que, no entanto, se encanta por estas caracter?sticas humanas. O jovem rob? de IA – Intelig?ncia Artificial tamb?m ? uma boa met?fora.

Pode ser que n?s humanos n?o sejamos muito diferentes dos animais e que esta hist?ria toda de Deus, alma e consci?ncia seja apenas um tipo de efeito colateral da evolu??o que nos deu um c?rebro com poder de processamento ocioso como sugere Gaarder em Maya.

Acontece que h? um ponto em que n?o importa mais se inventamos Deus ou se ele realmente existe. O fato ? que temos consci?ncia ou, para voltar ao lugar comum, pensamos, logo existimos ou ainda, para atualizar um pouco este lugar comum… Questionamos, logo existimos.

? bem prov?vel que um ancestral nosso tenha subitamente olhado ao redor ao se sentir totalmente seguro e tenha refletido “j? comi, j? fiz sexo, j? corri com meus irm?os, j? atirei frutas nas feras, mas ainda sinto necessidade de mais alguma coisa…”

Tamb?m ? bem prov?vel que outros animais estejam seguindo esta estrada e que venham a ser parecidos conosco em algumas dezenas de milhares de anos.

Aquele nosso ancestral pode ter pensado que o que lhe faltava era poder, s?culos depois pode ter pensado que era prest?gio e, ao perceber a morte como fim de tudo pode ter pensado em Deuses.

Imagino que nossos primeiros impulsos espirituais tenham sido bem mesquinhos e ego?stas e Deus teve pouco a ver com isso.

No entanto ao come?ar a questionar demos um passo numa estrada de m?o ?nica. A cada passo descobrimos e expandimos mais nossa consci?ncia. Pode at? ser que estejamos nos aproximando de uma outra consci?ncia ou quem sabe da fonte de todas as consci?ncias?

Cientificamente falando “fonte de todas as consci?ncias” n?o faz muito sentido, mas quem sabe? At? uns 40 anos Universo de 11 dimens?es n?o fazia mais sentido que isso.

Seja como for estamos mais longe de uma suposta fonte de todas as consci?ncia do que da compreens?o da teoria das cordas, entretanto o caminho est? bem aqui diante de n?s:

QUESTIONAMENTO

Descren?a, d?vida, questionamento e muita humildade s?o os instrumentos que podemos usar para buscar o P?, j? f?, certeza e dogmas nos prendem ? vis?o que os antigos, menos inteligentes e conscientes que n?s, foram capazes de construir.

Este post pode ter ficado um pouco repetitivo, mas achei importante definir as nossas ferramentas.

Posts anteriores

Parte 1 Parte 2
Parte 3 Parte 4
Parte 5 Parte 6
Parte 7 Parte 8
Parte 9 Parte 10
Parte 11 Parte 12