A ciência dos deuses X os deuses da ciência


Anos depois revisei o post e notei que “deuses da ciência” ficou confuso e troquei para deuses da realidade.

É necessário começar esse artigo declarando que, para os fins práticos, sou ateu: não vejo qualquer sinal de que existam deuses e, se existem, certamente não tem nada a ver com aqueles desenhados pelas religiões humanas.

Apesar disso penso que a crença em deuses pode ser positiva além de ser um impulso comum a quase todos os humanos (incluindo eu mesmo).

Infelizmente hoje os deuses são conduzidos pelas pessoas que acreditam neles a uma guerra sem chance de sucesso: a guerra contra a ciência.

Os deuses da ciência realidade

Resolvi, neste post, chamar assim os deuses que criamos há milhares de anos para satisfazer nossa perplexidade diante do Universo.

Como o Universo veio a existir? De onde nós viemos? Para onde vamos? O que somos?

Nós humanos temos dificuldade em lidar com o inexplicado e, diante da impossibilidade tecnológica e intelectual de entender a dinâmica do Universo, nos acostumamos com respostas como “os deuses quiseram assim” ou “foi criado pelos deuses”.

Quem segue esse tipo de deuses não está em busca de deuses ou da verdade, eles precisam de uma resposta satisfatória para a perturbação de se perceber em um Universo que não conseguem explicar.

Francamente, não há nada de ruim nisso. Nem todos precisam buscar deuses. Há muito trabalho a fazer no planeta: não precisamos de deuses para construir máquinas, amar e ser amados, para administrar empresas ou mesmo para fazer arte.

Podemos dizer que não precisamos de deuses para praticamente nada, precisamos é sentir um chão seguro sob nossos pés para ter forças para cuidar das nossas vidas e deveres.

Os deuses das ciências da realidade são os deuses das religiões. Elas certamente não existem para encontrar ou entender os deuses (supondo que eles existam), elas são feitas para nos oferecer conforto e orientação moral… Bem, a moral das religiões é outra história, mas elas tinham essa função.

Humm… Não podemos deixar para depois a questão da moral das religiões dos deuses da ciência realidade.

Enquanto acreditávamos que todo o Universo era controlado por esses deuses nós os temíamos, eles serviam para conter nosso mau comportamento.

Entretanto, conforme a ciência dos deuses (vamos a ela em seguida) foi explicando cada milagre dos deuses eles foram perdendo seu poder sobre nós.

Hoje os deuses são mais usados como instrumentos para justificar ou perdoar nossos erros do que para evitá-los: “a carne é fraca, mas deus me perdoará”, “Você não pode agir contra a minha moral pq meu deus o jogará no inferno”.

Os deuses, de forças que moldavam nosso caráter, foram transformados em porretes para moldar o caráter dos outros de acordo com os nossos próprios conceitos ou preconceitos.

Se há deuses eles certamente não serão encontrados aí.

A ciência dos deuses

E qual é a ferramenta de que nós dispomos para procurar e nos aproximarmos dos deuses?

Se os deuses tem alguma coisa a ver com a existência ou funcionamento do Universo é ele, o Universo, o livro que nos permitirá encontrá-los.

A ciência dos deuses é aquela que está pronta a admitir que entendemos algo errado. Que, se um dia pareceu que o sol foi criado depois das plantas, hoje é bem claro que foi o contrário com bilhões de anos de diferença. Se um dia achamos que as doenças eram fruto da ira dos deuses hoje sabemos que elas são fruto da nossa própria falta de higiene, fragilidades naturais ou manipulação imprudente do ambiente.

Tentar entender o nosso Universo é uma tarefa complicadíssima que ainda nos ocupará por milênios portanto é necessário aceitar que o chão sob nossos pés, a realidade diante dos nossos olhos, não são sólidos, são fluidos, aliás, são gasosos e cada um de nós morrerá sem chegar a uma resposta satisfatória.

As pessoas com vocação para lidar com essas dúvidas não são santos, nem profetas. No máximo são a versão moderna dos monges, não é à toa que muitos dos primeiros cientistas eram monges. 

Mas e se os deuses não criaram o Universo? E se o Universo simplesmente existe? Ou se ele foi feito por um deus tão indecifrável para nós e que criou os deuses que nós sentimos quando nos convertemos a uma crença?

A filosofia dos deuses e dos homens

A Cesar o que é de Cesar…

Agora que não precisamos mais de deuses para explicar o Universo porque não devolvemos finalmente os deuses ao universo muito mais nobre da nossa consciência? Ao universo da filosofia?

Podemos contar com a ajuda da ciência para entender a nossa mente, a nossa psicologia, e buscar em deuses os modelos para as nossas consciências futuras.

É um caminho tão árduo quanto o da ciência que estuda o Universo, mas pelo menos temos todos os instrumentos em nossa mente. Só precisamos observar atentamente as nossos medos, raivas, devaneios, alegrias, êxtases, sonhos, ideias e tudo o mais que molda nossa consciência e, talvez, nossas almas.

O que não devíamos fazer é matar nossos deuses atirando-os em uma guerra onde o único fim será o seu extermínio pois eles podem ser bons modelos para nos ajudar a desenvolver nossas consciências, mas, do jeito como conseguimos percebê-los, são ineficientes para explicar o Universo.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Pin It on Pinterest

Share This

Share This

Share this post with your friends!