Aproveitando que a visitante Laura me criticou por ver a verdade na fico… Bem, eu nunca falei isso, n? Digo sim que a linguagem metafrica da fantasia (e no da fico) o melhor instrumento para retratar as coisas mais importantes e que vo alm dos fatos ns e crus. Algo assim.

Em todo o caso – j que levei o selo de ignorante e que eu gosto mesmo de falar das coisas que podem atingir a todos e no apenas o restrito grupo de leitores capazes de ler Shakespeare – decidi falar de um filme da linha “Quem Somos Ns” e “O Segredo“. 

este aqui: Somos todos um.


Somos todos Um - DVD
Notou que as capas de todos estes filmes so parecidas? E o pior que cada um tem pouco ou nada a ver com os outros…

Este contm as respostas de um monte de religiosos e espiritualistas sobre coisas como “o sentido da vida” ou “quem Deus”.

O problema desta leva de livros, digo, de filmes de auto-ajuda a sua abordagem superficial, mas pense bem… Ns no vivemos imersos em uma cultura superficial? Quantas pessoas esto a fim de ler Goethe?

“Somos Todos Um” feito por amadores e d para notar isso. H partes dramatizadas que so enfadonhas, mas eles foram felizes nas perguntas e nos entrevistados que conseguiram atrair.

Fiquei com uma certa impresso de que existe uma inspirao anti-crist e anti-ateista o que j interessante pois em geral as coisas esto de um lado ou de outro. Pensando melhor o tom anti-fundamentalista.

Na pior das hipteses o filme vale para ver certas diferenas e semelhanas entre rabinos, padres, sufistas, espiritualistas e, um dos pontos fortes, pessoas na rua sem nada de especial, mas com opinies ricas e instigantes.

Seria melhor um tratado filosfico cheio de referncias e discusses filolgicas? Para mim seria, mas creio que este, melhor do que os outros dois filmes que citei no comeo, pode fazer um servio positivo a favor da trasnformao das nossas fronteiras culturais em pontes humanas.