Imagem: Material promocional

Eu tinha 10 ou 11 anos quandoassisti o primeiro, que era o quarto, filme da srie que, sem dvida, mexeu com a forma como se faz fico cientfica.

Eu era nerd. Cada um se torna nerd por seus motivos, mas na dcada de 70 nerd se chamava CDF (e demorei a descobrir o que significava), era muito pejorativo e coisa de gente com poucos amigos. Esse era eu quando vi Guerra nas Estrelas, que alis j descobri que, se no chamar de Star Wars, tem gente que no sabe do que se trata.

Eu adorei tudo imediatamente, claro! Um CDF desajustado encontra a histria de um moleque vivendo margem de uma galxia em convulso scio-poltica? Era um prato de bife com batatas fritas (era o que nos dava gua na boca. Isso e leite condensado “mamado” na latinha).

A histria do escolhido uma frmula quase garantida de sucesso. Do Luke ao Harry Potter passando por Neo e, claro, a Gata Borralheira (… Homens e mulheres tem devaneios em comum afinal de contas).

Fui crescendo, me tornando mais crtico a ponto de passar a criticar muito essa sndrome do heri. At gostei quando vieram os episdios de um a trs (que, para confuso dos leigos, so os de quatro a seis na ordem de lanamento) e o papel do escolhido se diluiu sendo parcialmente substitudo por grupos de amigos. Pena que essa foi uma das poucas qualidades dessa segunda trilogia e praticamente todo mundo reclama dela.

Desde que soube que seriam feitos os filmes de sete a a nove (e finalmente os leigos no se confundiro pois a cronologia da histria finalmente encaixa com a de lanamento) no me interessei.

Mais um filme de navezinhas e laserzinhos e zuonnnn zuonnnn dos sabres de luz.

Dizia isso como forma mais de provocao, claro. Cresci pensando em guerras nas galxias e adoro, mas pense em como o universo de scifi pode ser absurdamente mais vasto que o universo de navezinhas.

Hoje mesmo estava lembrando de O Predestinado, que deve ser o filme de viagem no tempo mais brilhante e um dos filmes mais provocadores que j assisti, mas um entre muitos porque viagem no tempo tambm virou um pouco clich e scifi pode ser muito mais que isso tambm!

Vale aqui um minuto de silncio para o desastre que foi Eu Rob, filme baseado na histria de Asimov para a civilizao robtica e que virou um tipo de Ataque dos Robs assassinos.

Ento fui seguindo a vida desse jeito. Vendo e lendo obras de fantasia, scifi e literatura muito mais criativas, profundas, instigantes etc que Star Wars jamais ser.

… Mas sem Star Wars talvez no houvesse um mercado de consumo para scifi.

Bem, mesmo assim fui segundo a vida e meio que ignorando a crescente ansiedade dos amigos e a presso do marketing.

Nem comprei meus ingressos at essa semana.

Pois . At essa semana. Meus ingressos (meu e da minha esposa) esto bem guardados esperando o dia 18 tarde.

Quem me conhece sabe que a mentira um recurso que eu evito com extrema persistncia. A tal ponto que mesmo amigos superficiais no me fazem aquelas perguntas que sabem que exigiriam uma mentira para no causar desconforto.

Eu no direi portanto que estou indo apenas por curiosidade. No.

Semana passada fui assistir No Corao do Mar (recomendo) e dei de cara com um totem de quatro lados com Rey, Finn, Han e… mais algum.

No foi uma surpresa, j havia passado por vrias propagandas, visto todos os trailers, mas uma coisa fez clique ao ver a expresso determinada da Rey (que tambm no era a primeira vez que eu via).

Nossa mente tem dessas, no mesmo? Uma coisa faz clique e booom, mudamos nosso jeito de ver alguma coisa.

Tento ser sincero tambm comigo e fiquei refletindo por uns dias se eu tinha finalmente cado na massiva estratgia de marketing e influncia dos amigos ou se alguma rede de expectativas finalmente se conectou em minha mente.

claro que expectativas podem ser frustradas, mas mais decepcionante deixar de conferir em primeira mo e ter a experincia da descoberta prejudicada por spoilers.

A expectativa que se formou naquele momento, entrando no cinema para ver um obra inspirada em um clssico, foi a de gente de verdade, um homem jovem e inexperiente, uma mulher solitria perdida no mundo que se encontram com algo maior em suas vidas, que descobrem que podem ser engrenagens do presente e do futuro. Todos ns somos pequenas engrenagens.

O mundo funciona sem ns, claro! Mesmo que ns sejamos engrenagens maravilhosas provavelmente ningum notar que existimos, mas ns saberemos que vivemos como parte de um mecanismo maior, uma civilizao, e fizemos nossa pequena parte.

Dois dias depois corri para um cinema e comprei os ingressos sentindo o mesmo aperto no peito que senti ao ver os episdios de quatro a seis ou ao ler uma grande obra de literatura.

Algo me diz que no meio de exploses, correrias, navezinhas e zuonnnns zuonnnnns teremos belas histrias humanas. E se no tiver, se for uma grande decepo, pelo menos estarei l para ver por mim mesmo.

Que venha logo o dia 18/12!!

Se preferir assistir a ler eu fiz um vdeo falando mais ou menos a mesma coisa: