A garoa fina e o tempo fresco no fertilizam o asfalto das ruas ou o concreto dos edifcios, mas encontram solo sedento em nossos ombros e nos pelos dos braos ns enquanto caminhamos entre os jardins do Museu da Repblica onde dezenas de editoras expe a Primavera dos Livros.

Livros! Em quantas bienais e feiras de livros no me perdi nos ltimos 30 anos? Nos tempos em que nossos amigos eram limitados aos do prdio, do clube, da rua ou do colgio? Hoje outros tantos se juntam a uma interminvel lista: do blog, do Orkut, @s…

"Ser que vou encontrar @s amigas?"

Mal terminei de pensar isso e l estavam @prill e @maffalda com um anjo sem arrba prontos para tomar um caf antes da orgia de letras.

Uma puxa uma cadeira antes que os rapazes do grupo possam exercitar seu cavalheirismo anacrnico, lembramos dos devaneios lisrgicos da semana que passou no Twitter, dos papos sociolgicos em manhs digitais, do sabor do caf com adoante, acar ou puro, de ser totalmente do contra e ser contra ser do contra. Lembro de dcadas passadas quando a TV dava medo, agora a Internet, mas tambm j foram as revistinhas em quadrinhos (eu tinha mais de mil).

"Posso tirar as chcaras?" – , acho que esto querendo que liberemos a mesa… Quanto ? Ops, as moas j pagaram… Ento vamos aos livros, mas sem uma vodca antes? Como se chama mesmo aquela garrafinha metlica para bebida? , vamos sem vodca mesmo…

Filosofia, histria, sociologia, perverso, a mente criminosa, cibercultura, geopoltica, bastante literatura infantil, o garoto ostra… impresso minha ou a concentrao de livros bons aumentou muito desde a antepenltima (pulei uns 2 anos) feira?

Me perco fotografando capas enquanto espero minha @ esposa sair de uma palestra de traduo. De l ela envia um torpedo

"No est entrando o Twitter: traduzimos porque temos um projeto para o pas"

Realmente, bela frase! Temos que manter os olhos no futuro pois o passado j foi. No repassei para o mundo na hora, mas ai est agora a mensagem do palestrante.

Com o celular pesado de fotos de livros vamos ao encontro dos outros logo ali no barzinho na esquina, e que feijo amigo! Uma verdadeira bacia! E muitas histrias vexaminosas, reflexes do ensino ao aprender, do conectado ao desconectado e o ensurdecedor fluxo de informaes que precisamos aprender a controlar.

As despedidas sempre so a pior parte afinal o toque digital, pode ser porque sou de outro milnio, nos enche de saudade do calor da presena… Muito embora a presena seja muito mais quente depois da troca digital, disso no h dvida.