– Tá, e se a Terra acabar? – Ele está sentado na varanda olhando o céu com poucas estrelas.

– Acabar como? explodir? Virar caquinhos? Não sei se isso é possível… Pelo menos me parece bem improvável, né? – Sua testa parece franzida demais para uma jovem com menos de vinte e dois anos.

– Não, não é acabar assim, é ter enchentes, terremotos, bombas nucleares… Bomba nuclear não pode despedaçar a Terra?

– Hummm… Acho que não… Li em algum lugar que um meteoro é mais potente do que todo nosso arsenal nuclear e a Terra já recebeu um monte deles.

– Sei… Então tá bom, a Terra não acaba, mas se acabar a vida, entendeu?

– Vem cá, você tá raciocinando? Fala sério, como você acha que a vida poderia acabar na Terra?

– É que tem horas que parece que tudo vai acabar, tá ligada?! 

– Pô, mas tem que ter alguma lógica, não?

– Olha, o que eu tô querendo dizer é que se estiver tudo perdido mesmo então é perda de tempo ficar pensando em salvar o mundo!

– Ah! Com isso eu concordo! Fala sério! Vê se eu vou salvar o mundo? Não consigo nem pagar a facul direito, pô! Tô mais preocupada agora em ver se me salvo! Se a galera toda se juntar para salvar alguma outra coisa eu até que vou junto, mas sozinha eu não vou não!

– …

– Que foi? 

– Porra! Tu é muito egoísta, cara! Se cada um fizer um pouquinho…

– Ah! Lindo! Hahaha! E você faz o quê se tudo que vejo é você no futebol, vendo TV ou indo para a balada?

– Sei lá, eu me preocupo pelo menos…

– Também tô preocupadíssima!

– Agora você tá sendo irônica!

– Não diga… – Ela o encara como se fosse uma geleira flutuando em sua direção pronta para rasgar seu casco e vê-lo naufragar

– Putz! Não dá para conversar sério com você!

– É… Você tá ai alucinando que a Terra vai se despedaçar e eu que sou difícil! Quando você me explicar como o mundo vai acabar eu me preocupo! Enquanto isso tenho o trabalho de sociologia para fazer e papai e mamãe devem chegar logo para atrapalhar…