… bem vestido, voc sabe. Roupas bem passadas, sbrias e bem ajustadas sobre o corpo como se fossem um uniforme. Um colete preto sobre uma camisa social branca, uma cala preta, cintos tambm pretos e um discreto cinto, preto, claro, com fivela prateada. O homem bem vestido estava na calada diante de uma destas igrejas protestantes e distribuia papeizinhos. Um evangelizador.

– Senhor, uma mensagem para o senhor! – E oferecia um sorriso realmente sincero e amigvel.

– Lamento, religies e eu no nos damos bem.

O pedestre era um sujeito baixinho, o cabelo parecia um tipo de chapu e trazia um guarda-chuva a tira-colo. Sua voz carregada de um sotaque indefinido era discretamente sarcstica.

Ele segue alguns passos antes de se deter, virar nos calcanhares e olhar para o religioso. Fala alto para ser ouvido atravs do barulho da rua.

– , no que no acredite em nada, mas religies… Ah! Esquece.

– Tem certeza que no quer a mensagem senhor? Acho que mal no far! Talvez chame sua ateno para outra realidade.

O homem pega a mensagem. Ele atravessa os trs metros com uma agilidade incrvel e a segura entre os dedos corduchos antes que o evangelizador perceba seus movimentos.

– A vontade divina… uma bonita frase meu jovem, mas no esta a realidade.

– Talvez no senhor, mas ns religiosos somos buscadores da verdade e esta a que eu vejo e que aquece meu corao.

– Se o seu corao sente frio no precisa de realidade e sim de iluso, no acha?

O pedestre baichinho est apoiado sobre o guarda-chuva fincado no cho bem diante do religioso.

– O conforto que procuro em Deus antes para ter foras a fim de enfrentar a realidade, senhor!

O tom grave do olhar harmoniza perfeitamente com as vestes sbrias.

– Ah! Mas realidade tudo do que religies no tratam, meu caro. Olhe ao redor e tudo que ver uma fantasia criada por ns, e se h um Deus e se ele nos deu algo foi o livre arbtrio para criar o mundo e a realidade que desejssemos.

O baixinho tinha o olhar distante enquanto olhava ao redor regendo o mundo volta como um maestro que tenta extrair dele alguma expresso.

– Estes edifcios, pases, leis, sociedades, polticas. Religies. Tudo isso criao de vocs, humanos. Se voc deseja a realidade busque as palavras puras de Deus. Se ele existe suas leis esto escritas nos movimentos das estrelas, no crescimento das florestas e no ciclo da vida dos animais que no mergulharam nesta iluso que a sociedade humana. Mais do que isso no lhe direi pois a realidade no uma s e s pode ser conquistada, jamais ensinada. Mas…Voc quer mesmo o desconforto dela ou procura o conforto dos braos de um pai?

Ele sorri um sorriso honesto, d um tapinha no ombro do religioso e num passo alcana a esquina vinte metros adiante.

Antes de virar a esquina lana um ltimo olhar e passa a mo pelos cabelos como quem faz uma mesura com seu chapu e, por uma frao de segundo, o guarda-chuva parece um belo florete.