Imagem: Jordan Whitt

A vida essa coisa indmita, chucra que ns desejamos ardentemente que se desenvolva conforme nossos sonhos paradisacos.

Me pergunto se isso no um tipo de imaturidade, esse desconforto com as coisas que acontecem segundo as prprias regras e no as nossas.

Como a ciclista que no desviou do meu brao quando eu corria mais cedo (estou bem, estou timo, sou meio indestrutvel hehehehe) ou o papel amassado que atiramos na lixeira… Ou pelo menos tentamos atirar.

Tem os exemplos mais polmicos que estou evitando aqui, como o estranho que tem uma cultura ou comportamento que voc no aceita ou o parente cuja identidade horizontal e no vertical (adorei esse conceito… T no meu vdeo refletindo sobre opinies etc).

Afinal… Ser que temos sabedoria para aceitar que o Cosmo segue suas prprias regras revelia dos nossos desejos?

Ser que temos coragem? Afinal um abandono da iluso do controle; de que algo sobrenatural garante que o Universo tem um sentido para ns.

Se mergulhamos nesse lago profundo talvez descubramos que at os desprazeres da existncia, como perdas e decepes, podem ser parte da felicidade de existir, de fluir como a gua ajustando-se realidade e no ao mundo virtual que tendemos a criar muito antes de Plato perceber que ele existia.