H? pouco mais de 20 anos eu estava na proa de um navio fundeado a uma certa dist?ncia do litoral da Argentina. Completamente sozinho…

Ergui uma ta?a de vinho para a lua imaginando que a brisa que esfriava meu rosto tinha tocado mais cedo o nariz da mulher que eu j? amava na ?poca.

Mas n?o foi essa experi?ncia que me tornou uma dessas pessoas que ficam pensando na vida enquanto todos ? volta bebem e se divertem, mas essa ? uma longa hist?ria, digamos apenas que sou assim :)

No entanto a experi?ncia me ajudou a valorizar os momentos que temos ao lado de quem amamos e como ? importante amar.

C? estou eu blogando sobre a vida enquanto vejo pelas janelas cibern?ticas que amigos se divertem por todos os lados, mas digo em minha defesa que esse ano meus pensamentos s?o leves, at? um pouco contradit?rio com o que escrevi no Natal, mas uma das vantagens em ser humano ? que as contradi??es est?o em nossa natureza.

Hoje, vou confessar, acho que tanto o Natal quanto o Reveillon e o anivers?rio devem ser dadas para esquecer da realidade, para se entregar a alguns excessos (inclua ai o Carnaval), desde que ao final a gente esteja satisfeito, leve e com hist?rias guardadas para nos alimentar nos dias dif?ceis.

J? passamos o ano todo quebrando a cabe?a, dando murros em pontas de facas, domesticando drag?es e driblando sigua??es desagrad?veis no trabalho e na vida pessoal.

N?o que o dia-a-dia seja ruim, mas sempre h? momentos ruins.

Talvez se fizermos direito ao nos entregar ?s festas nos esvaziando de tudo que pesa tenhamos vis?o para construir um ano com mais alegrias que dificuldades.

Quando nos entregamos ? festa pura, ao abra?o do amigo sincero, do amor profundo, talvez encontremos l? no fundo, sob as fr?geis alegrias, o fio poderoso da felicidade.

Digo com o cora??o transparente: o mundo seria muito melhor se todos f?ssemos capazes de nos entregar ?s alegrias simples cotidianas e jamais pens?ssemos nas tais quest?es fundamentais que, juro, de fundamentais n?o tem nada, s?o apenas perguntas sem respostas que servem para perturbar a tranquilidade e impulsionar a civiliza??o para o futuro.

As quest?es fundamentais n?o s?o ?teis para os indiv?duos :-)

Portanto, se voc? passou (como eu) a virada do ano pensando no passado, no futuro e como eles se engendram no presente, pense com carinho na minha sugest?o: pare um pouco de pensar e viva a pureza da vida, ela pode nos ensinar muita coisa!

Feliz Ano Novo! Feliz D?cada Nova!

Ah!!! Uma m?sica para a ocasi?o!!! Poliphonic Spree – Hold Me Now!