Ser humano no uma tarefa fcil. um desafio dirio.

Humano definitivamente no animal. Temos capacidades incomuns e qualidades que outros animais no possuem como conscincia, empatia e, acima de tudo, razo e a capacidade de mudar a nossa realidade.

O desafio em ser humano est na necessidade de resistir nossa herana animal. Nossos instintos que nos tornam to vulnerveis ao medo e, atravs dele, raiva, ao dio…

Creio que no h um grupo de amigos onde uma boa parte deles no seja contra os direitos humanos afinal "vai dar direito humano para bandido quando ele no d para ns?".

Bem, conto com a sua boa vontade para me permitir tentar demonstrar que essa a voz dos nossos instintos, da nossa parte no humana, falando. Serei breve, s peo que voc procure sua mente vulcana, se livrar dos pr-conceitos e emoes por um tempo (algumas so humanas, mas to difcil seprar-as das que so instinto).

A propsito, vale a pena ler A Piada Mortal de Frank Miller para uma reflexo mais longa do que vou expor a seguir.

O que diferencia o humano do no humano a capacidade de tratar os outros humanamente, no importa quem sejam. Para os cristos isso est bem claro no exemplo dado por Cristo.

Para quem ateu isso pode ser demonstrado com lgica. O marginal capaz das atrocidades qeu faz pois falhou em se manter capaz de desenvolver empatia pelos outros e lhes garantir direitos humanos.

Tratar o mal com crueldade s nos faz outro lado do mal e portanto to desumanos quanto ele.

Se voc nesse momento sente irritao com a opinio acima avalie suas emoes e julgue se elas vem do que h de mais humano em voc ou se vem justamente do seu impulso instintivo de vingar o mal.

difcil… Sei bem disso toda vez que estou tentando me concentrar e o vizinho coloca o som nas alturas destruindo minha concentrao. Minha mente involuntariamente imagina cenas crueis com o vizinho :-) Srio.

Mesmo que no aceitemos a lgica acima h outra razo para que os direitos humanos sejam aplicados a favor de todo e qualquer humanos pelas chamadas pessoas de bem.

Quando um criminoso capturado e tratado com crueldade ele tem seu dio confirmado, ao retornar ao seu meio hostenta cicatrizes de guerra e se torna um heri capaz de atrair novos criminosos.

Se a pessoa recebida com respeito ela descobre que h outros mundos alm do seu onde reina apenas a violncia, ela tem chance de aprender que h outras formas de viver e construir redes sociais alm da fora e do medo. So numerosos os casos de criminosos que se regeneram ao ser acolhidos em um grupo social humano e saudvel.

Mais uma vez bem possvel que seu corao agora esteja repleto de asco as ideias acima, afinal a gente vai tratar com carinho quem cruel? Ento vamos ser crueis tambm para sermos bem tratados?

… muito difcil separar as emoes da razo. muito fcil ser arrastado por elas para o fundo do poo da loucura e do dio, mas no so mais ou menos esses os sentimentos que acabam distorcendo outros humanos a ponto de torn-los criminosos? aqui que entra A Piada Mortal ou Curinga, o Filme. Exemplos de onde o medo e o dio nos levam.

Temos um grande desafio pela frente: sermos maiores que as nossas emoes selvagens e construir uma sociedade onde os poucos psicopatas e sociopatas tenham outras opes alm do crime e as pessoas normais no sejam levadas para longe das qualidades humanas que temos desenvolvido lentamente ao longo de milhares de anos!