Fui inspirado a escrever o texto a seguir depois de ler uma mat?ria no Globo sobre as afirma??es de um pastor de que os direitos das mulheres atingirem negativamente a fam?lia.

Lyra Belacqua caminha sobre as cadeiras dos decanos
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Pinterest
  • Gmail
  • Tumblr

Lyra Belacqua n?o aceita a autoridade imposta a ela e a desafia caminhando clandestinamente sobre as cadeiras dos decanos de Oxford.

Sempre falo na import?ncia do m?todo cient?fico pois, sem ele, nossa mente avalia o mundo a partir da pr?pria experi?ncia.

Por exemplo, se eu sou bissexual e, envergonhado disso pela press?o da cultura onde vivo, decido reprimir a minha natureza sexual tentando me convencer que sou heterossexual, corro o risco de achar que a sexualidade ? essencialmente definida pelo meio e por minha vontade.

A metodologia cient?fica me ajudaria a ver o mundo como ? e n?o como eu o percebo ou gostaria que ele fosse e logo eu perceberia que sou um caso espec?fico e que sequer deixei de ser bissexual de eu apenas estou reprimindo minha natureza.

A literatura demonstrando que as nuances da natureza sexual indo do heterossexual ao homossexual s?o fortemente gen?ticas ? vasta a ponto de n?o haver muito espa?o para d?vidas a respeito.
O discurso do pastor demonstra que ele n?o desenvolveu seu ponto de vista a partir da raz?o ou de fatos, mas sim de relatos de pessoas em conflito com sua natureza sexual o que o leva a conclus?es n?o s? erradas, mas at? desumanas como a de que as mulheres que decidem estudar e trabalhar podem se tornar l?sbicas.
H?, curiosamente, nessa linha de pensamento uma vis?o materialista da natureza humana que n?o sofreria nenhuma influ?ncia seja da sele??o natural, seja de um suposto Deus criador. O pastor ? um ateu? Ele parece crer que, se a sociedade n?o for firmemente controlada pela Autoridade (e isso me lembra da Lyra de Pulman) ela se desfar?.
Espero que a luz lan?ada sobre essas linhas de pensamento nos ajudem a mostrar que v?rias religi?es sa?ram dos seus trilhos ou foram sequestradas (e agora lembro dos momentos finais do Livro de Eli) deixando de servir ao nosso desenvolvimento espiritual para serem usadas como instrumento de poder.