A vida e a arte se entrelaam como espirais de fumaa, confundindo-se, criando novas cores, formas e reflexos.

Este terrvel hbito, esta maldio, de olhar obcessivamente para os dias atravs das lentes da rotina a nica barreira que nos impede de ver a dana csmica da vida e da arte, da realidade e do sonho.

Esta barreira efmera como a poeira em suspenso no ar: um facho de luz revela suas partculas desordenadas e um leve movimento capaz de dissolv-la totalmente.

Um palco escuro, negro como a mente vazia de pensamentos, um vasto div vermelho sob o calor de um holofote que o faz rubro como um quasar na vastido do Cosmos iluminando os corpos das bailarinas que orbitam reproduzindo a riqueza de interaes humanas em movimentos que falam sem palavras.