Biblioteca das Almas – Ransom Riggs – Resenha

Primeiramente… #Fora… ;-P

Bem, primeiramente pode ler sem medo de spoiler, não entregarei nada da trama. Sempre faço resenhas para serem lidas antes de ler o livro (ou ver o filme).

Acabei de notar que não fiz resenha do segundo livro, mas pelo menos fiz do primeiro, o Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares.

O final de sagas é sempre um momento tenso onde autor e editor correm o risco de entregar algo decepcionante, afinal concluir histórias geralmente é mais difícil que iniciá-las.

Para os preguiçosos e preguiçosas já adianto: vale a pena ler a trilogia. O final pode não ser fantástico, mas é bom.

Nessa última parte impliquei um pouco com algumas decisões de tradução/estilo e senti um pouco aquela influência padrão do mercado editorial americano que pasteuriza um pouco tanto o estilo quanto o rumo das histórias, mas o autor (ou o próprio editor) conseguiu não pesar muito na mão e alguns personagens muito bons garantem a qualidade da história.

Outra grande qualidade da história é que não cai no maniqueísmo ainda que resvale nele em dado momento. O século XXI precisa se livrar de estereótipos como bem x mal.

As questões de gênero também são quase sempre tratadas da melhor forma possível para esse momento: não são perceptíveis. Ou seja, simplesmente não existe julgamento de valor (ou falta dele) de acordo com o sexo da personagem.

Também gostei muito da forma como a trama se descortina apresentando-nos várias versões dos eventos que deram origem ao mundo peculiar como conhecemos nos livros.

A leitura é fluida e não há momentos monótonos.

Naturalmente não é o tipo de literatura que lapida o texto, o foco é na história, uma característica dos livros pop, mas a criação de mundo é original e os personagens me conquistaram.

Ficha:
Editora – Intrínseca
Autor – Ransom Riggs
Tradução – Fernando Carvalho