Os Royalties do Pré-Sal ajudam ou atrapalham o RJ?

Até 2008 o estado do Rio de Janeiro viveu sem os sete bilhões anuais oriundos do Pré-Sal que é um recurso que deveria ser usado para amenizar o impacto ambiental e social da exploração do petróleo.

Agora o governo parece ter lido minha cartilha de como manipular as pessoas na Internet para conquistar a mobilização da sociedade para manter esses recursos extras (e vale a pena frisar o extras) no estado.

Tenho questionado o governo (que é meu “amigo” no Facebook), mas quero deixar claro que considero indiscutível que o dinheir fique aqui, mas há duas questões improtantes que devemos levantar:

  1. Devemos dar força ao atual governo atendendo seus chamados para mobilização? Ele merece essa demonstração de apoio popular? Com isso ele não estaria na verdade procurando reforçar sua força política já pensando nas eleições presidenciais (sei que o governador não é candidato, mas ele negociará seu apoio a algum candidato à presidência)
  2. Uma vez que os sete bilhões fiquem no Rio (e provavelmente ficarão) como eles serão usados, como eles tem sido usados?

De acordo com o comunicado do Governo sobre os Royalties do Pré-Sal hoje o dinheiro é usado:

“Hoje, o dinheiro dos royalties que cabe ao Estado vai para Rioprevidência, fundo de pensão dos funcionários do Estado, como mandam os manuais. Esse arcabouço legal garante a segurança do pagamento das aposentadorias de hoje e nas próximas décadas.”

Isso é como ele tem sido usado… Provavelmente como continuará a ser usado. Quem recebe aposentadoria da Rioprevidência? Ex-governadores? Espero que os ex-lixeiros também, pelo menos sei que eles fizeram por onde merecer.

Dois amigos no Twitter levantaram duas questões válidas: “Não é mobilização popular que resolverá isso, mas troca de favores em Brasília” e “Não tem como o dinheiro sair do Rio e eles sabem disso, mas vão posar de heróis”

Realmente não é difícil imaginar um diálogo entre os protagonistas do tipo “Cara, faz uma emenda ai para puxar os royalties para seu estado que não passa mesmo, mas vc fica bem com seus eleitores por ter tentado e nós com os nossos por termos evitado”. O que acontece nos corredores da política nós não sabemos e espero que esse diálogo hipotético aconteça apenas em algum enlatado de Hollywood. [antes que me processem, estou apenas dizendo que não é difícil imaginar esse diálogo, duvido que tenha acontecido]

O importante é que, pelo visto, o Rio de Janeiro é como uma caixa d’água com um furo de onde escapam, por exemplo, 5 bilhões de reais e, em vez de consertar o furo, o governo se aproveita que está entrando 2 bilhões a mais para manter tudo aparententemente bem.

A menos que algo esteja sendo feito com essa sobra para tapar o buraco:

  • O RJ está tomando iniciativas para atrair indústrias?
  • Temos dado estímulos fiscais para fortalecer o setor de serviços que será a base da economia no século XX? (aliás já é, dê uma olhada nas 500 da Fortune)
  • Estão sendo feitos investimentos para aquecer o turismo? As obras dos Jogos Olímpicos e da Copa terão esse efeito? Obras é o que falta para o turismo no Rio?
  • O século XXI é o século do conhecimento, se não investirmos em escolas, faculdades e universidades não haverá royalties que segurem

Nada disso me responderam, mas espero que, depois que passar a reação emocional dos cariocas nós nos mobilizemos para fazer essas cobranças.

Se não fizermos isso corremos o risco do estado descansar em berço explêndido por décadas congelado no século XX, garantindo sua sobrevivência ao custo do meio ambiente (alguém ainda lembra daquele papo de aquecimento global que vai submergir as regiões costeiras?).

Se o Rio depende do Pré-sal (que não existia até 2008 e poderia jamais ser descoberto) para não falir então ele está sendo mal administrado e empresa mal administrada fracassa, não importa quanto dinheiro se dê a ela.

E o governo que não sabe administrar nos chama para lhe dar apoio nas passeatas que ele prepara gastando recursos preciosos para fazer sites, alugar trens elétricos e fazer vastas campanhas publicitárias.

Você vai dar força política a esse governo? Eu não…

Aguardarei sinais de que ele, o Governo-RJ, está usando os recursos para salvar o estado e não sua aposentadoria porque eles se aposentam, o Rio não…

Outras informações

Outras opiniões

Bruno via Facebook:

“Gente, eu ainda sou contra que qq imposto sobre mercadoria fique no estado de origem. Isso concentra renda. Não tem nada a ver com mal uso da verba, nem tem a ver com mandar para a União repassar. A proposta atual passa DIRETAMENTE uma pedaço para cada estado, fora a parte q vai pra União. Tem que ser assim para fazer a riqueza girar pelo país. Mesmo que houvesse royalties ZERO, o RJ ainda seria beneficiado economicamente pelo petroleo. Macaé continuaria se beneficiando de ser a base de varias empresas, gerando emprego e cobrando outros impostos delas. O ponto é que se nâo mudar, só a união e os estados produtores vao se beneficiar do Pre Sal. É muito dinheiro para ficar apenas em 3 Estados, q não por acaso são dos mais ricos do país. Não à concentração dos #royalties!”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>