Mito da imutabilidade

Em outubro de 2003 confessei aqui mesmo no blog que gostava dos seriados “Xena, a princesa guerreira” e “Buffy, a caça vampiros“, entre outros. Na ocasião só queria mostrar que todo mundo, ou pelo menos eu, gosta de alguma coisa boba, mas no caso dos dois seriados trash acima há um pouco mais do que isso.

A maioria dos seriados nos apresentam um mundo congelado onde nada muda: os lugares não mudam, os personagens não mudam muito mais do que o penteado ou a roupa.

Não é que eu não goste de Friends por exemplo! Pelo contrário! Me divertia bastante com o seriado! Mas me assusta um bocado esta crença da imutabilidade. Há quem diga que a Disney foi um dos expoentes desta crença.

No processo de crescimento os maus se tornam bons, os bons se tornam maus, os fortes tem momentos de fraqueza e os fracos encontram a força. Os ingênuos despertam e alguns maliciosos se deixam converter em tolos. Mas em que seriado vemos isto acontecendo? Não em novelas, não nas populares sitcom!

Que me lembre apenas em Babylon 5 temos uma obra realmente consistente neste sentido e, os nos melhores entre os piores temos as duas lá de cima: Xena e Buffy.

E juro que isso não é somente um esforço para não parecer ridículo ao dizer que gostava dos dois seriados! Hehehe!

2 Replies to “Mito da imutabilidade”

  1. Já te disse pra não assumir essas coisas em público! O seu gosto por Buffy e o meu pela Lucy deve(ria)m ser mantidos em segredo absoluto!!! Por falar nisso, você grava ‘En casa de Lucy’ pra mim, né? Aquela mulher é tudo de bom! Ai meu deus, o que será da minha insônia sem Lucy e seus absolutos-inenarráveis-dourados-em-tudo?

  2. Ah, outra coisa: coloca um padding nessa div. Fica horrível (eu SEI que fui eu que botei assim) esse texto colado na margem. Põe, sei lá, 1em, deve ficar bom. Beijinhos

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *